Ataques a ônibus podem estar ligados a organização criminosa


Onda de ataques a ônibus em Minas pode ter sido ordenada por facção criminosa paulista (Foto: Corpo de Bombeiros)

Ao menos 8 cidades da região foram alvos de ataques a ônibus neste fim de semana. Pouso Alegre foi uma das atingidas pela ação que pode ter sido coordenada por uma organização criminosa. De acordo com a Polícia Militar, ônibus foram incendiados em Pouso Alegre, Monte Santo de Minas, Alfenas, Guaxupé, Passos, Varginha e Poços de Caldas. Houve ainda uma tentativa em Itajubá. Outros 6 municípios no Triângulo Mineiro e Região Metropolitana da capital mineira foram alvos da ação.

Em Pouso Alegre, dois homens suspeitos de atearem fogo em um ônibus de transporte coletivo no Jardim Redentor foram presos ainda na noite de domingo (03). A ação da dupla ocorrerá um pouco antes. Encapuzados, eles invadiram o veículo, pediram para que motorista e passageiros descessem e informaram que ateariam fogo no ônibus a mando de uma organização criminosa.

A dupla teria pedido para que todos os valores no caixa do ônibus fossem retirados, já que não se tratava de um assalto. Um galão de gasolina foi usado para atear fogo no banco do ônibus. A dupla fugiu auxiliada por um terceiro homem, conforme relato de testemunhas. Após a saída dos criminosos, o fogo foi controlado por moradores, que usaram um balde d'água para apagar o fogo.

Os suspeitos de 23 e 29 anos presos pela polícia foram encaminhados para a delegacia, onde foram interrogados. Ainda não há informações sobre a prisão ou participação de um terceiro homem no ato.

Outras cidades

A onda de ataques a ônibus começou pelo Triângulo Mineiro, seguiu pela região metropolitana de Belo Horizonte e chegou a pelo menos 8 cidades do Sul de Minas. Apesar dos indícios de as ações estarem relacionados com uma organização criminosa, as autoridades ainda não se posicionaram à oficialmente respeito.

O boletim de ocorrência registrado pela PM na tentativa de incêndio em Itajubá traria a informação de um bilhete deixado com o motorista. Nele, os bandidos teriam reclamado de opressão no presídio local e mencionavam ainda problemas ocorridos no presídio federal de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte. De acordo com a PM, o bilhete é assinado por uma facção paulista com atuação nacional.

#DiaaDia #Cidade

Editado por Capitólio Ass. E. R. Públicas
Redação: (35) 3422-2653
redemoinho24@gmail.com
Comercial: (35) 99931-8701 | (35) 3422-2653
comercialredemoinho24@gmail.com