• Adevanir Vaz

Prefeitura assina contrato de R$ 15 milhões para obras contra enchentes no Centro


Simões assina contrato da operação de crédito destinada ao financiamento das obras da galeria do Primavera. Para sair do papel, obra depende ainda da elaboração do projeto executivo e processo licitatório (Foto: R24)

A prefeito Rafael Simões assinou na manhã desta quarta-feira (20) o contrato junto à Caixa Econômica Federal (CEF) para liberação de recursos destinados às obras da galeria da bacia do Primavera. A região é o ponto crítico de acúmulo de água das chuvas que geram enchentes recorrentes no Centro. O valor do investimento é de R$ 14,9 milhões, sendo cerca de R$ 900 em contrapartida do município e o restante de uma linha de crédito para projetos de mobilidade do Ministério das Cidades.

Os detalhes da assinatura do contrato e os próximos passos para execução da obra foram repassados à imprensa em coletiva convocada pela Prefeitura na manhã desta quarta-feira. A assinatura do contrato contou com a presença de deputados, vereadores e representantes da Caixa.

Assinada a contratação da operação de crédito junto à Caixa, a Prefeitura vai agora partir para a elaboração do projeto executivo da obra. É ele que orientará de forma detalhada como as obras deverão ser feitas. Ele é também a referência para o processo licitatório, concorrência pública destina a selecionar a empresa que, enfim, executará as obras.

Histórico de fracassos contra as enchentes na região central

A obra é mais uma tentativa do município de tentar por fim às contantes enchentes que ocorrem na região central, gerando enorme prejuízo a comerciantes e moradores. Em 2015, a gestão Perugini (PT) executou uma obra de ampliação de galerias pluviais na região com um investimento de R$ 10 milhões.

As obras não apenas não resolveram o problema como, em 2017, acabou alvo de uma Comissão Especial da Câmara de Vereadores, que concluiu que a obra era ineficaz e, tanto seus executores quanto a Prefeitura sabiam disso durante sua execução. A gestão Simões propôs em agosto do ano passado uma ação judicial por conta de supostos prejuízos causados pela obras.

Com um histórico desses, qual a garantia de que a obra vai resolver o problema dessa vez? O prefeito Rafael Simões assegura que os estudos feitos pela Universidade Federal de Itajubá (Unifei) tem potencial para encerrar de vez as enchentes, pois ataca não apenas o problema localizado da drenagem das águas, mas todo o entorno da bacia do Primavera, que recebe as águas de inúmeros outros bairros a cada chuva. A ideia é conduzir as águas por duas novas galeiras, que juntas somam cerca de 5 mil metros de extensão ao longo da bacia, utilizando a gravidade do declive da região.

"Talvez o equívoco do passado tenha sido não fazer um estudo mais aprofundado do que que acontecia no entorno de onde enchia. [Agora], foi feito um trabalho muito extenso pela Universidade Federal de Itajubá (...) e passou-se aqui também pelo crivo de pessoas que entendem dessa área de galeria pluvial. (...) Olhando o projeto, a gente percebe que ele vai ser executado e vai eliminar essa situação (...). Peço à população que tenha paciência, porque a obra não começa hoje e termina amanhã", afirmou o prefeito Rafael Simões durante coletiva de imprensa.

#Política

Editado por Capitólio Ass. E. R. Públicas
Redação: (35) 3422-2653
redemoinho24@gmail.com
Comercial: (35) 99931-8701 | (35) 3422-2653
comercialredemoinho24@gmail.com