Pouso Alegre perde mais 107 vagas de emprego em junho

Apesar do resultado negativo, junho foi o mês com menor número de demissões ao longo da pandemia. No acumulado da crise de saúde, município perdeu 1.807 vagas com carteira assinada. No acumulado do ano, a perda de postos formais de trabalho é de 1.519. Serviços, comércio e indústria lideram demissões



Em junho, pelo quarto mês consecutivo, Pouso Alegre viu seu mercado formal de trabalho encolher. Foram 1.043 admissões contra 1.143 demissões, que representou o fechamento de 107 vagas. Com mais esse número negativo, a cidade acumula 1.807 postos formais de trabalho perdidos nos últimos quatro meses.


Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão estatístico do extinto Ministério do Trabalho, hoje acumulado pelo Ministério da Economia:



Os setores de Indústria e Serviços foram, mais uma vez os que mais demitiram. Na indústria, foram cortadas 126 vagas e no setor de serviços 63. Comércio (+62), Construção Civil (+12) e Agropecuária (+8) tiveram saldo positivo na relação entre demissões e admissões.


Nos seis primeiros meses do ano, Pouso Alegre só conseguiu criar vagas de emprego no mês de fevereiro, quando o saldo entre demissões e admissões foi de 401 postos de trabalho. Em janeiro (-113), março (-322), abril (-973), maio (-405) e junho (-107) o saldo foi negativo, com a curva se acentuando no mês de abril e entrando na descendente a partir de maio.


Três setores concentraram a maior parte das demissões ao longo da pandemia, na seguinte ordem: Serviços (-868), Comércio (-489) e Indústria (-415).


Veja abaixo a variação do saldo de empregos formais na cidade por setor, no acumulado do ano e no acumulado da pandemia:



Editado por Capitólio Ass. E. R. Públicas
Redação: (35) 3422-2653
redemoinho24@gmail.com
Comercial: (35) 99931-8701 | (35) 3422-2653
comercialredemoinho24@gmail.com