Banners_Portal_Capitólio_750x160.jpg

Trotes no Samu geram prejuízo e põem em risco atendimentos a emergências

09/01/2019

De cada 100 ligações recebidas pelo Samu em 2018, 14 eram trote (Foto: montagem/ Divulgação Samu)

 

 

A central do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) baseada em Varginha recebeu 379,1 mil ligações ao longo de 2018. Cada uma dessas chamadas tinha uma possível emergência do outro lado da linha, à qual os profissionais do Samu precisariam dar uma resposta no menor tempo possível.

 

Mas, além de definir em segundos qual atitude tomar diante de uma situação limite, os atendentes do Samu enfrentam um obstáculo bizarro: de cada 100 ligações, 14 são trotes. Saber identificá-los pode ser a diferença de ter ou não ter uma unidade móvel para enviar ao socorro de uma emergência real.

 

Ao todo 53,5 mil chamadas foram identificadas como trotes em 2018. O número é 40,8% menor que o registrado em 2017, quando o órgão registrou 90,5 mil trotes. Ainda assim, a ação insensível dessas pessoas gera enorme prejuízo ao serviço, chegando ao extremo de colocar outras vidas em risco por sobrecarregar desnecessariamente o Samu.

 

"O atendimento primário pode acabar deslocando uma ambulância para o atendimento, que pode tanto ser aqui em Varginha, quanto em qualquer outra cidade da área de cobertura. Em alguns trajetos, de 30 ou 40 quilômetros, a ambulância pode demorar 30 minutos para e voltar. Nesse meio tempo, pode acontecer um acidente grave e com vítimas reais", afirmou ao G1 Sul de Minas o coordenador geral do Samu, Jeovane Ernesto.

 

Números associados a trotes recorrentes vão para 'lista negra'

Atendimento ao próprio autor do trote também pode ser prejudicado

Os autores dos trotes prejudicam o sistema geral de atendimento às urgências, mas também colocam em risco um futuro atendimento a eles próprios. A repetições de ligações identificadas como trote partindo de um mesmo telefone direciona o número para uma espécie de lista negra.

 

"A partir da 10ª ligação no mesmo telefone que já foi considerado trote, ele fica registrado no sistema e os médicos e auxiliares de regulação têm maior resistência a passar a ligação para frente", conta o coordenador. 

 

Ele dá o exemplo de um atendimento em que a recorrência de trotes prejudicou diretamente as ações das equipes. "Aqui em Varginha, em 2016, um telefone fixo em um bairro chegou a ter um registro de mais de 500 ligações consideradas trotes, era um orelhão. Um dia aconteceu um acidente grave, ligaram no 192 e até nosso profissional entender que realmente era um caso grave, a ambulância levou um tempo para ser deslocada", atenta. 

 

No caso exemplificado, não houve sequelas ou agravo de saúde do paciente por conta do atraso, "mas é importante que as pessoas saibam que o serviço público tem que ser usado com responsabilidade e só quando necessário", alerta  coordenador.  

 

Trote é crime

Além de ser uma ação nociva e completamente insensível, os trotes aos serviços de emergência são tipificados no Código Penal Brasileiro. Quando identificado, o autor é enquadrado no artigo 340: comunicação falsa de crime ou de contravenção, cuja pena é detenção de um a seis meses ou multa.

 

Gostou desse conteúdo? Curta nossa página no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece em Pouso Alegre e região.

 

 

 

Tags:

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Please reload

Polícia persegue carro roubado pela BR-459 e Fernão Dias e resgata vítimas de assaltantes

11/11/2019

Morre diácono que se envolveu em acidente a caminho de Pouso Alegre

09/11/2019

1/15
Please reload

Avenida Dr. Lisboa, 334, Sala 2
CEP: 37550-110 | Pouso Alegre (MG)
Comercial: (35) 99931-8701 | (35) 3422-2653
comercialredemoinho24@gmail.com
Redação: (35) 3422-2653
redemoinho24@gmail.com
Editado por Capitólio Ass. E. R. Públicas